• Inscreva-se no RSS da Catedral

    ENTENDES O QUE LÊS?

    12 nov 2015   //   por   //   Colunas  //  Sem comentários

    Filipe e o Eunuco – Atos 8

     

    Lucas, médico e companheiro de Paulo nas suas viagens missionárias, é também o escritor do evangelho que leva o seu nome e do livro de Atos. Resolveu, inspirado pelo Espírito Santo, narrar o que aconteceu no ministério do diácono e evangelista Filipe quando este estava em  Samaria, por causa da perseguição que se desencadeou em Jerusalém após a morte de Estêvão.

     

    Era impressionante como Deus estava operando poderosamente na conversão de judeus e abrindo novas igrejas locais.   

     flipe-eunuco

    Então, a partir do verso 26, surge outra narrativa que aparentemente não tem nada a ver com o que estava acontecendo.

     

    Depois de um dia de muitas atividades, apareceu um anjo a Filipe e falou com ele.  Entendo que Deus tinha urgência em realizar uma determinada missão. Deus precisava de alguém obediente, que respondesse rápido, que tivesse iniciativa e fosse capaz de resolver plenamente o desafio.

     

    Por isto enviou um anjo (mensageiro) para falar com Filipe. E o anjo disse: “Levanta-te”! No meio espiritual e no meio militar esta é uma palavra de ordem, de autoridade, de comando, que exige uma resposta imediata. Caracteriza uma urgência e um estado de prontidão. De outra parte, levantar-se para ouvir o que Deus quer falar, mostra que Deus não fala com quem está caído, é preciso levantar e ouvir atentamente. Outra coisa é que Deus só revelou uma pequena parte do que Ele queria. De modo geral temos dificuldade de apreender muitas coisas de uma vez só. Então, à medida em que obedecemos nos capacitamos a receber mais revelações ou mais detalhes do que  Deus quer (é assim no mundo inteiro)!

     

    O anjo disse a Filipe: “Levanta-te e vai e imediatamente”. Filipe levantou-se e foi.

     

    As coordenadas do local de encontro:

    - Região sul

    - Caminho que desce de Jerusalém para Gaza, deserto

    - Identificação da pessoa: um homem etíope, eunuco, mordomo-mor (tesoureiro/administrador) da rainha Candace, prosélito (convertido) da religião Judaica e que tinha ido a Jerusalém prestar culto a Deus. Certamente tinha consigo listas de nomes com várias necessidades, que apresentou a Deus. Agora estava de regresso à sua terra.

     

    Qual a necessidade deste homem?  

    Ter um encontro com Jesus, ser batizado nas águas e no Espírito Santo e discernir a Palavra. E é justamente aí que se encaixava Filipe.

     

    Ele avista a carruagem do etíope, que já havia passado, mas Deus manda correr para alcançá-la. Então, obedecendo a Deus, Filipe a alcança e ouve o eunuco lendo em voz alta o rolo de Isaías, sem perceber que tinha companhia.

     

    Filipe grita: “Entendes o que lês”? Resposta: “Como, se alguém não me ensinar”?

     

    O eunuco manda parar o carro e convida Filipe a ir com ele.

     

    Antes de prosseguir, vamos pensar um pouco sobre o oficial etíope: embora Lucas não mencione os detalhes que antecederam a viagem, é lícito que meditemos em alguns pontos:

    1) Não parece que era a primeira vez que fazia esta longa (9.450 km) viagem;

    2) Imagino que seria a última;

    3) Se Deus tinha o propósito de usar o oficial para levar o evangelho para a Etiópia, tinha que acontecer nesta viagem;

    4) O custo da viagem: caríssimo! Ida e volta!

    5) O rolo de Isaías: caríssimo!

    6) Portanto, tudo tinha que dar certo. E deu!

    7)  A participação de Filipe era fundamental, por isto Deus o escolheu!

     

    Agora, voltando ao ponto onde paramos. Filipe subiu no carro do oficial, que não conseguia entender de quem falava o texto profético, que dizia o seguinte: “Foi levado como a ovelha ao matadouro, e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia, assim ele não abre a sua boca.  Na sua humilhação foi tirado o seu julgamento; quem contará a sua geração? Porque a sua vida é tirada da terra”. Respondendo o eunuco a Filipe, disse: “Rogo-te, de quem diz isto o profeta? de si mesmo, ou de algum outro”?  Então Filipe tomou a palavra e, começando por esta escritura, anunciou-lhe a Jesus. E era tão grande a unção que estava sobre os dois, que ao ver água o eunuco mais do que depressa, humildemente, fez a pergunta mais importante da sua vida: “E indo eles caminhando, chegaram a um lugar onde havia água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado?”. Filipe pediu um testemunho que realmente confirmasse seu desejo de nascer de novo e tornar-se uma nova criatura. Disse Felipe: “É lícito, se crês de todo o coração”. E, respondendo ele, disse: “Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus”. Então mandaram parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e Filipe o batizou. Em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Este momento merecia estar sendo filmado, com a participação de toda a Igreja; uma grande festa. Mas não foi assim, foi muito melhor, porque tenho certeza que um exército de anjos estava ali presente, se alegrando e exaltando o Santo  Nome do Senhor!.  Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco, que jubiloso seguia o seu caminho. Mas Filipe achou-se em Azoto e, indo passando, evangelizava todas as cidades, até que chegou a Cesaréia. Atenção: Filipe foi transferido totalmente, corpo, alma e espírito, roupa e o que mais tivesse em suas mãos.

     

    Na Etiópia surgiu uma Igreja Cristã, com discipulado e tudo. Quem terá sido o responsável?

     

    Um breve testemunho: Numa das muitas viagens que eu, minha esposa e meus filhos fizemos, da Ilha do Governador, RJ  para Domingos Martins, ES, estávamos cantando, quando passamos na  entrada de Rio Bonito, RJ, onde, do lado  esquerdo havia uma fábrica que construiu uma grande faixa de alvenaria com os seguintes dizeres: “Confesse com a tua boca que Jesus Cristo é o Senhor!”. Então eu disse para minha família: vamos confessar todos juntos, bem alto e forte.  E assim o fizemos! Imediatamente tive que parar o carro no acostamento, porque o Espírito Santo veio com sua glória e seu poder sobre nós, de tal maneira, que custamos a parar de chorar e glorificar ao Senhor!  Nesta Palavra há poder! Amém!

    _ _

    Alcides de Moraes Mendes – Mineiro, casado, pastor aposentado da 4ª RE (MG/ES)

     

    Deixe um comentário