• Inscreva-se no RSS da Catedral

    CONFIAR E SERVIR

    21 out 2015   //   por   //   Colunas  //  Sem comentários

    Conta-se que o britânico Hudson Taylor, pioneiro na evangelização da China no século XIX, viu certo dia em viagem marítima um rapaz que conhecia a Bíblia (publicada em chinês clássico no século XVIII) mas não se rendera ao poder de Deus, e por quem Taylor orava, cair ao mar. Os marinheiros arriaram as velas e Taylor pediu a pescadores que estavam perto que tentassem resgatar o náufrago com suas redes de arrasto.

    Esses se negaram pois estavam ocupados, Taylor lhes disse que pagaria cinco dólares por isso. Os pescadores regatearam, exigindo trinta. Taylor não tinha essa soma e lhes propôs dar tudo o que tinha. Os pescadores enfim acudiram, resgatando o rapaz. Tarde demais, porém. Foram inúteis as tentativas de Taylor em ressuscitá-lo.
    Chocante? Cerca de 150 milhões de pessoas morrem a cada dia no mundo inteiro. Quantas dentre essas perecem também por toda a eternidade? Ouvi um pastor dizer do altar: “você não evangeliza mas, quando você estava no mundo, você oferecia cerveja ou drogas a seus amigos. Se dividia o que era mau, por que não divide o que é bom?”

    Hoje, o esforço de evangelização não está mais focado na China, mas de preferência nos países islâmicos onde a perseguição aos cristãos é violenta. O Islam é a religião que mais cresce no mundo. Muammar Khadafi, que governou a Líbia até 2011, investiu os seus petrodólares para conseguir prosélitos construindo estradas, aeroportos, hospitais, moradias em muitos lugares da África. Como resultado, populações antes cristianizadas agora se declaram muçulmanas em países como o Benim, entre muitos outros.

    Hudson Taylor não tinha petrodólares para investir na evangelização da China. A sua consagração a Deus era total e sua vida vivida totalmente sob a direção do Eterno. Por isso, o número de missionários aumentou a cada ano e nunca lhes faltou pão, apesar de viverem exclusivamente das ofertas espontâneas dos membros do corpo de Cristo no Reino Unido.

    Que Deus me ajude a viver inteiramente debaixo da divina providência e a Seu serviço até que eu lhe devolva o fôlego de vida ou que Cristo volte para nos levar para o Céu. O fim do mundo será o dia mais feliz da história: aquele em que Deus restaurará seu plano original para a humanidade.
    E que brilhe Jesus!

    Deixe um comentário