• Inscreva-se no RSS da Catedral

    Carpe diem!

    8 out 2014   //   por   //   Colunas  //  Sem comentários

    Essa semana fui ao cinema participar pelo menos uma vez do Festival do Rio e, como de costume, chorei bicas durante a passagem dos créditos e das pessoas na minha frente que não têm o menor interesse em lê-los. Quase todas as vezes que me exponho à sétima arte, meu coração de manteiga derretida entra em ação, e já aprendi a conviver com a cara de espanto das pessoas na penumbra das salas de cinema.

    O interessante é que alguma coisa acontece no meu coração, não no cruzamento mais famoso de São Paulo, cenário há quase dois meses de um grave problema brasileiro – a má distribuição de renda unida à falta de moradia nos grandes centros urbanos. Mas dessa vez, o filme a que assisti me mostrou que tudo à nossa volta é pedra que clama que devemos fazer da nossa vida alguma coisa que demonstre amor a essa gente tão sedenta de justiça e paz no terceiro milênio.

    O filme tratava de uma fotógrafa impulsionada pelo desejo de, através de suas fotos, denunciar a maldade, a ganância e a intolerância crescente e latente ao redor do mundo. O sentimento dela por justiça feita àqueles a quem não conhecia, mas amava como gente, era tão belo e profundo, que deixava sua família em suspenso a fim de cumprir sua missão. Fiquei a pensar no que eu tenho feito através de minha profissão e do que tenho a oferecer para ajudar meu próximo… será que tenho deixado família e interesses próprios em favor do Reino de Deus? Tenho entendido o que Deus quer de mim nestes dias tão difíceis?

    Dessa vez minhas lágrimas não ficaram no banco do cinema. Elas refrescaram meu rosto e minha mente na direção de fazer alguma coisa. E quero sempre ter a sensação de que tudo que faço ou farei não é nada comparado ao dom da vida – acordar e saber que mais uma vez o amor de Deus se manifestou em graça a cada um de nós, a fim de tornarmos mais um dia O dia! Dia de fazer uma criança sorrir, de ser gentil, de oferecer um café, de emprestar o ouvido, de ajudar a solucionar um problema, de preparar uma cesta básica, de dar um abraço grátis, de visitar o enfermo, o órfão, a viúva, o doído, de viver um evangelho sem palavra, mas recheado de ações…

    É urgente o verso de Renato Russo, que certamente foi iluminado pelas palavras e pela consciência do evangelho de Jesus quando ele lia a Bíblia – ‘é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar…’ que a gente não pare, nem pense!

    Que a gente colha o dia (Carpe diem), aproveitando-o ao máximo, como nos ensinou o poeta latino Horácio (Odes I, 11.8). Que a gente corra e morra sabendo que nossa vida valeu não a pena, mas a confiança que Deus pôs em nossas mãos de sermos gente que ama, gente que tem a estranha mania de ter fé na vida!

    No Deus que não se confina em templos,

    _ _

    Alessandra Viegas, membro da Catedral, é professora, Coordenadora de Ensino e Capacitação e professora da Escola Dominical.

     

     

    Deixe um comentário